sábado, 20 de abril de 2013

A POESIA DO POVO...



Geraldo Amâncio
Entre os Dez Mandamentos dos sermões,
Respeitar pai e mãe é o primeiro,
O defeito de um filho é ser grosseiro;
A virtude dos pais é serem bons.
Todo filho tem três obrigações:
Escutar, respeitar e obedecer;
Respeitar pai e mãe é um dever;
Esquecer mãe e pai é grosseria,
Se não fossem meus pais, eu não teria
O direito sagrado de viver.
* * *
José Moura
Toda noite eu me deito constrangido
Como um ente que vive em abandono,
Passo horas inteiras sem ter sono
E só durmo depois de um comprimido.
Quando acordo é nervoso e abatido,
Os meus sonhos são cheios de aflição,
Aí rezo com fé uma oração
Chegam mil esperanças novamente.
Acredito que Deus está presente
No silêncio da minha solidão.
* * *
Lourival Batista
De fato meu companheiro
Muito velho já estou
Completei sessenta anos
Já fui pai, já sou avô
Pra mulher, não sou mais nada
Mas pra quem canta, inda sou.
* * *
Louro Branco
E por falar em cachaça
Eu já tomei mais d’um tubo
Estou feito terra fraca
Precisando de adubo
Em mulher num subo mais
Mas em cantador eu subo.
* * *
Dedé Monteiro
No dia de abandonar
O meu torrão querido,
Ouvi meu próprio gemido
A me pedir pra ficar…
Mas, vendo que de voltar
Havia pouca esperança,
Triste como uma criança
Que está com fome ou com sede
No punho da minha rede
Deixei um nó por lembrança.
* * *
Zé Catota
Meu sonho foi diferente
Foi coisa desconhecida
Eu vi dois vultos passando
Em carreira desmedida
Era o cavalo do tempo
Atrás da besta da vida.
* * *
Josenir Lacerda
A poesia pra mim
É uma amiga sincera
Que assume meus queixumes
Faz de inverno, primavera
Compreende os meus medos
Guarda fiel meus segredos
Meu sonho, minha quimera.
* * *

Manoel Xudu
Poesia tão linda e soberana
E tão pura, tão branca igual a um véu…
Está na terra, no mar, está no céu
E no pelo que tem a jitirana.
Ela está em quem vive a cortar cana
Quando volta pra casa ao meio dia…
Está num bolo de fava insossa e fria
Que um pobre mastiga com linguiça.
Está na paz, no amor e na justiça
O mistério da doce poesia.
* * *
Zé Bernardino
Eu nada fiz na jornada
Nada ganhei  nem perdi
Nada ignoro do nada
Porque do nada nasci.
Se o nada foi um abrigo
Seja o nada meu jazigo
Pois nada disso me enfada.
Eu de nada fiz estudo ,
Mas sei que o  nada faz tudo
E tudo se torna em nada.
* * *
Luciano Maia
Cantor das coivaras queimando o horizonte,
Das brancas raízes expostas à lua,
Da pedra alvejada, da laje tão nua
Guardando o silêncio da noite no monte.
Cantor do lamento da água da fonte
Que desce ao açude e lá fica a teimar
Com o sol e com o vento, até se finar
No último adejo da asa sedenta,
Que busca salvar-se da morte e inventa
Cantigas de adeuses na beira do mar.

2 comentários:

  1. Muito interessante e criativo cada poema.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo blog, ele está recheado de criações prazerosas de se ler.

    ResponderExcluir