sexta-feira, 28 de julho de 2017

CRUEL...

UM GRANDE PICARETA...POR BERNARDO CELESTINO PIMENTEL



               O BRASIL VIVE UM CLIMA DE IMORALIDADE, DE DESMORALIZAÇÃO,DE FALÁCIAS...
               UM PRESIDENTE QUE FOI PEGO COM A MÃO NA CUMBUCA,PROPINANDO, PREVARICANDO, PEGO NO FLAGRA,LANÇA MÃO DE QUALQUER COISA  PARA NÃO SE SOLTAR DO CARGO...TEM A PSICOSE DE VIVER NO PODER...
               UM HOMEM DIGNO, DIANTE DO SEU ERRO, TERIA RENUNCIADO NO OUTRO DIA APÓS A APRESENTAÇÃO DA FITA FAMOSA, QUE MOSTRA  O PRESIDENTE EM CARNE , E VOZ ,PREVARICANDO, SACANEANDO E SUJANDO O CARGO QUE OCUPA...
               DE LÁ PARA CÁ , A ORDEM É COMPRAR VOTOS QUE IMPEÇAM O SEU DESPENCAR DO CARGO QUE FOI INDIGNO DE OCUPAR...
              COM ESTE OBJETIVO, TEM TORNADO POSSÍVEL TUDO O QUE É SUJO, ILÍCITO, PARA QUE SEJA SALVO NA VOTAÇÃO DE QUARTA FEIRA...
              É PORTADOR DE UMA DAS MAIORES REJEIÇÕES POPULARES, SEGUNDO AS PESQUISAS...
          UM HOMEM ODIADO PELO BRASIL...ESTREBUCHANDO NO CAMINHO DA FORCA.
               AGORA, ABRINDO MÃO ATÉ DE PRINCÍPIOS SAGRADOS  QUE PROTEGEM A FLORESTA AMAZÔNICA...
              UM NOME QUE JAMAIS SERÁ ESQUECIDO DENTRO DO ALMANAQUE:OS GRANDES PICARETAS.

NO DIA QUE O MORRO DESCER E NÃO FOR CARNAVAL...

FILOSOFIA DA MINHA GAVETA NÚMERO 2017-JULHO



               O MUNDO, MAIS PERMANENTE E CONSTANTE DE CADA UM ,É O SEU EU...

              O NOSSO EU SEMPRE EXISTIU...SEMPRE EXISTIRÁ....NUNCA TERÁ FIM...E PORTANTO MERECE SER MUITO BEM TRATADO, COMPREENDIDO, RETRO ALIMENTADO PELO NOSSO ESPÍRITO E PELAS FORÇAS QUE REGEM  A NATUREZA...
               QUANDO ERA CRIANÇA JÁ ERA EU, JÁ TINHA UM  EU...
              O ADOLESCENTE QUE FUI ERA EU, TINHA EU,O MESMO EU QUE HOJE ESCREVE AOS 62 ANOS...
              CAMINHAMOS AOS TRANCOS E BARRANCOS, SOMOS ATROPELADOS, MUDAMOS AS NOSSAS ROTAS, AVANÇAMOS AS VEZES, AS VEZES DESISTIMOS,CONOSCO SEMPRE , O NOSSO EU , QUE É INFINITO...
               É IMPORTANTE PERCORRERMOS SEMPRE O NOSSO EU, LIMPAR OS SEU VÃOS PROFUNDOS, SUBTERRÂNEOS, ADMINISTRA-LO...
          É INFELIZ QUEM ESQUECE DO SEU EU...
          ADOECE QUEM NÃO ALIMENTA O SEU EU...QUEM O DESCONHECE, QUEM NÃO O PERCEBE...
               NA YÔGA TEMOS ESTE Cuidado de PENETRAMOS DENTRO DA GENTE...DE IMERGIR NO NOSSO EU, DE MANTE-LO SEMPRE EQUILIBRADO, REJUVENESCE-LO COM A INTROSPECÇÃO PROFUNDA...COM OS EXERCÍCIOS, COM A RESPIRAÇÃO, QUE É O MAIOR FAROL QUE SINALIZA A VIDA...
               TRAGO EXEMPLOS DA LITERATURA, QUE NOS MOSTRAM A DISTÂNCIA ENTRE O INDIVÍDUO E O SEU EU...EM OUTRAS PALAVRAS, A MEDIDA DE UM DESAJUSTAMENTO...A INADAPTAÇÃO ENTRE O VIVER E O EU...
               O POETA FERNANDO PESSOA, NA POESIA  GATO QUE BRINCAS NA GRAMA , CHEGA A AFIRMAR:
               EU VEJO-ME MAS ESTOU SEM MIM,
CONHEÇO-ME MAS NÃO SOU EU...

               NA CRONICA, A CASA DE MATA CAVALOS, MACHADO DE ASSIS AFIRMA: FALTAVA-ME O EU, E ESTE EU ERA TUDO...

quarta-feira, 26 de julho de 2017

A POESIA DE BERNARDO CELESTINO PIMENTEL: IMERSÃO...


            FECHANDO A TRAMELA DA JANELA QUE DÁ PARA A RUA...
ABRINDO A BRECHA QUE DÁ PARA DENTRO DE MIM...
PERCORRO UM VÃO SUBTERRÃNEO DE DENTRO DE MIM...
ENCONTRO  A ANTÍTESE DA MINHA VIDA...
DOU COM A MINHA COROA DE REI, AGORA JÁ SEM TRONO...
PESCO NO POÇO DOS MEUS SONHOS...
IÇO OS INSTANTES MAIS DESEJADOS...
PERCORRO -ME E NÃO ENCONTRO-ME...
NO CHÃO UM POETA MUDO...
COLHO AS SINFONIAS DA CANÇAÕ QUE NÃO COMPUZ...
SINTO O TOM MAIOR...
LEVITO E ADORMEÇO COM A MINHA PRÓPRIA MÚSICA...
SONHO COM O DESCONEXO,
O SONHO DOS SONHOS,
RELEMBRO ESTRELAS,
NO MEU LATIFÚNDIO...

A VIDA ESCORRE POR ENTRE OS DEDOS...
O TEMPO É BREVE,
A MINHA ALEGRIA É QUANDO,
O AMOR ARREBENTA COMO UMA HEMORRAGIA...
CINTILA NOS MEUS OLHOS DESEJOS,
TERRAS QUE SONHEI,
BOCAS QUE EU NÃO SENTÍ,
O ÚLTIMO INSTANTE,
A ÚLTIMA CENA.
A ALMA GRITANDO,
QUE PENA!!!
NA CARTA QUE VOA,
NOTÍCIAS DOS MEUS RASTROS,
UM TERNO,
SURRADO.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

O MEU VOTO...

Voto na Besta Fubana
Em Lampião ou Corisco
Troco meu voto num risco
Numa garrafa de cana
Numa casca de banana
Numa lata de Nestlé
Num livro que não se lê
Numa sopa de concreto
Chova canivete aberto
Que eu não voto no PT.
Voto em governo golpista
No raio da silibrina
Em quem recebeu propina
Em candidato fascista
No derradeiro da lista
De militar a Civil
No político mais vil
Voto até num saruê
Só não voto no PT
Que assaltou o Brasil.
Quero ser um caboré
Um criador de intriga
Capacho de rapariga
Porteiro de cabaré
Um sapato com chulé
Ser frio ser calculista
Puxa-saco de cambista
Posso morrer mas não nego
Quero ser guia de cego
Mas não quero ser petista.
O diabo me carregue
No dia da eleição
Não tendo outra opção
Se eu não votar num jegue
Quero morrer num albergue
Deitado num banguê
Tapicuru me roer
Numa noite de inverno
Ir direto pro inferno
Se eu votar no PT.