domingo, 31 de janeiro de 2016

O PAPA DA HONESTIDADE: PAPA LUIZ 51



É MAIS SANTO DO QUE MADRE TEREZA...

É MAIS HONESTO DO QUE CHICO XAVIER...

É O NOBEL DA HONESTIDADE...

CARLOS PENA FILHO...



 Carlos Pena Filho


“Procurou na terra
Procurou no ar
Procurou na guerra
E não soube achar.
Procurou no rio
Procurou no mar
No telégrafo sem fio
E outra vez no ar.
Muito velho e sábio
Foi que se lembrou
Dentro dele mesmo
Nunca procurou”.

sábado, 30 de janeiro de 2016

POETAS DO BRASIL...

Joaquim Cardozo

Para fechar semana de dúvidas, a certeza da poesia do brasileiramente pernambucano Joaquim Cardozo. Uma breve amostra de Canção de Uma espera Sem Fim:
“Não se sabe o que vem para ficar
Não se sabe o que vem, se inda demora
Dessa planície não se encontra o fim
Ao longe passa o carrossel da aurora
Vem até mim o carro do horizonte.
Não se sabe quando é, quando será
Não se sabe o que vem para ficar
Não se sabe, ao que vem, se inda demora;
Sobre a planície estendo o coração
já que os olhos esperam o horizonte
a chegada ilusória de um perdão”.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

A POESIA DE ANA LIMA PIMENTEL...1901.

LEMBRANÇAS – Anna Lima


Divulgo a luz de seu olhar querido
Da tarde nos dourados arrebóes…
E no canto dos passaros, sentido,
A ternura gentil de sua voz.
E sempre quando a noite alem fluctua
O mesmo encanto vem me inebriar,
Si fito os raios pallidos da lua,
Si fito as ondas tremulas do mar.
Da sua imagem plena de belleza
Eu vejo em tudo a meiga suavidade…
Mas nada diminue minha tristeza,
Mas nada diminue minha saudade.
Natal – Maio – 1901

SOBRE A ALMA MAIS HONESTA DO MUNDO: O CARA!!!!


Fecha-se o cerco ao casal Lula e Marisa
Na condição de investigados, Lula e dona Marisa foram intimados a depor pelo Ministério Público de São Paulo no caso do triplex no Guarujá, reformado por quase um milhão de reais pela construtora OAS, envolvida na roubalheira da Petrobras.
A Folha de S. Paulo publicou hoje que o sítio frequentado pela família Lula da Silva em Atibaia, interior de São Paulo, foi reformado de graça pela construtora Odebrecht, também envolvida na roubalheira da Petrobras.
Foi um engenheiro da Odebrecht que supervisionou a reforma. E foi ele que pagou todas as despesas com dinheiro vivo.
O sítio está em nome de dois sócios de Fábio, um dos filhos de Lula.
Às pressas, o PT prepara um ato em defesa de Lula.

OSCAR 2016...

Saiu a lista de indicados ao Oscar 2016: 
- Melhor estrangeiro: Japonês da Federal; 
-Melhor Curta: Reinado da Miss Colombia; 
- Melhor Drama: Joelma; 
- Melhor Ator: Lula "nao existe alma viva mais honesta que eu";
-Melhor Atriz: Dilma (pelo conjunto da obra)

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

LITERATURA DE CORDEL...

Ao leitor peço licença
pra narrar uma passagem
da vida de um mentiroso,
como simples amostragem,
pra que fique registrada
sua pitoresca imagem.
Num tempo muito distante,
na aldeia de um reinado,
havia um certo vassalo
em mentiras viciado.
Como o maior mentiroso
ainda hoje é lembrado.
Mentir para ele era
a coisa mais natural,
talvez falar a verdade
nele fosse algo anormal,
pois na arte da mentira
jamais encontrou rival.
(1)
Contava suas lorotas
sem nenhum acanhamento.
Não escolhia local,
nem o público ou o momento,
até que um dia chegou
do rei ao conhecimento.
Este montou no cavalo
e partiu muito garboso
no intuito de conhecer
o súdito mentiroso
que, afinal, em todo o reino
já se fizera famoso.
Chegando à aldeia, o rei
convocou o especialista
em mentiras, que até
já posava de artista,
para ter com Sua Alteza,
uma urgente entrevista.
O rei ao tal mentiroso
um desafio propôs:
deveria 100 mentiras
novas ter pra contar, pois
voltaria para ouvi-las
uma semana depois.
(2)
Se vencesse o desafio
proposto dentro do prazo,
ganharia 100 moedas
de ouro sem qualquer atraso.
Do contrário, era certeza
na forca acabar seu caso.
Palavra de rei não volta
de forma nenhuma atrás.
O mentiroso sentiu-se
em seu mister incapaz.
Num desespero terrível,
perdeu o sono e a paz.
Na véspera da chegada
do rei novamente à aldeia,
o filho do mentiroso,
percebendo a coisa feia,
falou: – Papai, não se aflija,
vou lhe tirar dessa teia.
Disse ainda ao pai aflito:
– Pode dormir sossegado,
recebo amanhã o rei,
fique em seu quarto trancado.
Confie em mim, pois garanto
que dou conta do recado.
(3)
Quando o rei voltou já foi
ao menino as ordens dando:
– Vá logo chamar seu pai!
O menino foi falando:
– Majestade, ele partiu
ainda com o sol raiando.
Saiu pra fazer contagem
de 100 colmeias, porém
faltou uma abelha e ele,
que apego ao trabalho tem,
foi procurá-la na mata
sem auxílio de ninguém.
Terminou por encontrá-la
em uma folha enganchada.
Veio buscar o machado
pra com uma machadada
cortar a folha, mas teve
a sua intenção frustrada.
A ferramenta quebrou-se
e ele seguiu apressado
rumo à casa do ferreiro
pra consertar o machado
que, após derreter demais,
num anzol foi transformado.
(4)
Aí meu pai foi pescar
num riacho de água escura,
mas lá teve uma surpresa
que quase não se segura:
pescou um boi com uma carga
de cachaça e rapadura.
Acontece que o bovino
tinha um grande ferimento
numa das patas. O pai,
sem  perder um só momento,
na Casa Veterinária
foi buscar medicamento.
Lá, informaram que fava
deixava a pata curada.
O meu pai voltou correndo,
sem atentar pra mais nada,
sequer perguntou se a fava
seria inteira ou quebrada.
Então, na dúvida, aplicou
no bicho uma fava inteira.
Pra seu espanto, nasceu
no animal, uma faveira
que botou fava adoidado
e ele foi vender na feira.
(5)
Depois, conduziu ao pasto
o boi, montando um cavalo
que tem chocalho de cera,
sendo de lã o badalo.
Ouço ele tocando agora…
Senhor Rei pode escutá-lo?
O rei fitou o menino,
murmurando encabulado:
– Esse nem saiu daqui,
 está assim informado…
Pense agora no pai dele
e o que terá inventado!
– Pegue aqui essas moedas,
entregue a seu pai e diga
que o rei se deu por vencido,
pois logo sentiu fadiga
com as mentiras do filho.
– Mentirosos de uma figa!
Foi embora e o menino,
feliz tal qual um guerreiro,
chamou o pai, muito eufórico:
– Meu pai, venha aqui ligeiro,
consegui vencer o homem
e ainda ganhei dinheiro!
(6)
Das moedas recebidas,
deu ao pai só a metade,
embolsando a outra parte
com a maior tranquilidade.
Mais um grande mentiroso
nascia ali, na verdade!
Filho de peixe é peixinho,
um velho ditado diz.
Aquele menino esperto
provou ser bom aprendiz.
As espertezas do filho
deixaram o pai feliz.
E assim, no reino distante,
a partir daquele dia,
pai e filho decidiram
fundar uma companhia
de humor que em toda parte
shows de mentira exibia.
As coisas mais absurdas
eles faziam questão
de contar pra divertir
a incauta população,
sempre faturando bem
em cada apresentação.
(7)
O espaço é ilimitado
e a todos está aberto.
Muita gente afirma que
“o mundo é do mais esperto”.
É difícil concordar
que isso, afinal, seja certo…
Concluindo a narração
que a fazer eu me dispus,
resta só pedir desculpas
pelas mentiras que pus
nesta estória estapafúrdia
que a lugar nenhum conduz.
Espero, pois, que o leitor
não se mostre aborrecido
com o poeta que apenas
tentou narrar o ocorrido
num reino que talvez nem
tenha de fato existido.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

CARTA DO FILHO JÁ GRANDE...DR. BRENO AUGUSTO MIRANDA BEZERRA.

Breno Bezerra com Adriana Castro e outras 4 pessoas.
Todos sabem que sou uma pessoa reservada e não sou o mestre na confecção de belos textos, más nada mais oportuno para escrever neste dia para vc, painho!!! Li este texto, encaminhado pelos amigos, que foi escrito no Estadão web e fiz algumas adaptações para tudo que já vivemos até hoje e vamos viver ainda mais!!!
Texto: Pai, eu não te amo como antigamente.
por Ruth Manus
Pai,
Há muitos anos que não caibo mais no seu colo e não te chamo mais de Cabugentinho. Hoje meu peso já é demais para você me carregar nos seus ombros. E meus anos já não permitem certos mimos de antigamente.
Mas me flagro, às vezes, desejando que você ainda pudesse administrar minha vida, escolhendo os caminhos mais seguros para eu caminhar. Caminhada essa, livre de todo medo, por saber que você me observava a cada passo, tentando impedir meus tombos e tropeços. Lembro de sua frase “ O homem que tem medo do medo, É um Bosta!”
Os anos passaram. E a vida não perdoa atrasos.
A cada dia, por mais que nenhum de nós tivesse pedido, menos controle você passou a ter sobre a minha vida. Não pôde escolher meus empregos como escolhia minhas escolas. Não pôde vetar aquelas últimas cachaças e farras como vetava algumas coisas que não podia fazer quando criança.
E tudo aquilo que você fazia, e que um dia me pareceu infernal: Como não podia ir para o forró do turista, festa apenas em sábados de 15 em 15 dias, olhares tortos para amigos que não te pareciam boa coisa, o dinheiro sempre dado a mais para uma segurança, que eu tentava não gastar, hoje faz todo sentido. Fico orgulhoso também que meus verdadeiros amigos, hoje também são seus amigos.
Mas agora é comigo, pai.
E seria bom voltar ao tempo em que você me parecia imortal. Tempo em que era você quem se preocupava com a minha saúde e não eu com a sua. Tempo em que você tentava evitar meu resfriado ou ficava preocupado com meus 39 graus de febre. Mas hoje sou eu que cobro seus exames de sangue, seus exercícios físicos e tento te fazer ver que comer de menos não garantem uma velhice boa a ninguém.
Mas a vida chama.
Então me levanto, lavo o rosto, vou trabalhar. Porque você me levou no colo, me carregou nos ombros, mas também me ensinou a caminhar com minhas próprias pernas. E se hoje estou na estrada, trilhando caminhos decentes e honestos, você bem sabe que isso é obra sua.
E sabe, pai? Nesse domingo posso te dar um presente. Provavelmente não será grande coisa, mas é fruto do meu trabalho. Fruto do que só existe por sua causa. Pela educação e exemplo que você me deu.
E eu vou te olhar durante o almoço. Não com o encantamento que tinha aos 6 anos… Porque aos 6 anos era aquele amor cego das crianças. Já hoje, tenho esse olhar cirúrgico, avalio suas atitudes, aponto seus erros, reclamo dos seus defeitos e de seus descontroles. A verdade, pai, é que eu não te amo como antigamente. A verdade é que te amo ainda mais.
Te amo mais porque te vejo de verdade, com tudo de bom e de ruim, consciente de que você é um ser falho, como todos os outros, mas que, mesmo assim, consegue se manter como meu porto seguro, meu norte, aquele que me construiu, me guiou e ainda me guia, me acode nas quedas que não pode evitar, me ama com todos meus defeitos e é quem dá vida à ideia de “amor incondicional”.
É, pai, hoje você já não é tudo aquilo que foi para mim um dia.
Porque agora você é tudo aquilo que é para mim hoje. E hoje é amor dobrado, é amor firme e deliberado, desse filho, adulto e crítico, com um sentimento cada vez mais consolidado.
Esse texto me fez refletir sobre a retrospectiva que é de ser pai, e hoje, com a chagada de Breno Filho, consigo compreender exatamente o que é ser PAI!
Por isso, PAI! Obrigado por Tudo!

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

CASCUDO...

DITADOS POPULARES EXPLICADOS POR CÂMARA CASCUDO
A língua portuguesa tem vários recursos. O ditado popular, por tantas vezes, é usado pelas pessoas sem que elas conheçam a origem ou o real significado. As versões originais desses termos populares vão sendo alteradas e terminam se espalhando.Camara_cascudo
O historiador e antropólogo Luís da Câmara Cascudo (1898-1986) já afirmava: “Os ditados populares sempre estiveram presentes ao longo de toda a história da humanidade”. No nosso país, isso não constitui nenhuma novidade. Às vezes, aparecem expressões insólitas e desprovidas de sentido, porém muito importante para a cultura popular.
Selecionamos algumas dessas expressões estudadas pelo grande pesquisador Câmara Cascudo:
Lágrimas de crocodilo
O crocodilo, quando ingere um alimento, faz forte pressão contra o céu da boca, comprimindo as glândulas lacrimais. Assim, ele chora enquando devora a vítima. Daí a expressão significar choro fingido.
Queimar as pestanas
Antes do aparecimento da eletricidade, recorria-se a uma lamparina ou uma vela para iluminação. A luz era fraca e, por isso, era necessário colocá-las muito perto do texto quando se pretendia ler o que podia dar num momento de descuido queimar as pestanas. Por essa razão, aplica-se àqueles que estudam muito.
Pensando na morte da bezerra
Estar distante, pensativo, alheio a tudo.
Esta é bíblica. Como vocês sabem, o bezerro era adorado pelos hebreus e sacrificados para Deus num altar. Quando Absalão, por não ter mais bezerros, resolveu sacrificar uma bezerra, seu filho menor, que tinha grande carinho pelo animal, se opôs. Em vão. A bezerra foi oferecida aos céus e o garoto passou o resto da vida sentado do lado do altar “pensando na morte da bezerra”. Consta que meses depois veio a falecer.
Onde judas perdeu as botas
Como todos sabem, depois de trair Jesus e receber 30 dinheiros, Judas caiu em depressão e culpa, vindo a se suicidar enforcando-se numa árvore.
Acontece que ele se matou sem as botas. E os 30 dinheiros não foram encontrados com ele. Logo os soldados partiram em busca as botas de Judas, onde, provavelmente, estaria o dinheiro.
A história é omissa daí pra frente. Nunca saberemos se acharam ou não as botas e o dinheiro. Mas a expressão atravessou vinte séculos. Atualmente, o ditado significa lugar distante, inacessível.
Casa de mãe Joana
Este dito popular tem origem na Itália. Joana, rainha de Nápoles e condessa de Provença (1326-1382), liberou os bordéis em Avignon, onde estava refugiada, e mandou escrever nos estatutos: “Que tenha uma porta por onde todos entrarão”.
O lugar ficou conhecido como Paço de Mãe Joana, em Portugal. Ao vir para o Brasil a expressão virou “Casa da Mãe Joana”. A outra expressão envolvendo Mãe Joana, um tanto chula, tem a mesma origem, naturalmente.
Gatos pingados
Esta expressão remonta a uma tortura procedente do Japão que consistia em pingar óleo fervente em cima de pessoas ou animais, especialmente gatos.
Existem várias narrativas ambientais na Ásia que mostram pessoas com os pés mergulhados num caldeirão de óleo quente. Como o suplício tinha uma assistência reduzida, tal era a crueldade, a expressão “gatos pingados” passou a significar pequena assistência sem entusiasmo ou curiosidade para qualquer evento.
Sem papas na língua
Significa ser franco, dizer o que sabe, sem rodeios. A expressão vem da frase castelhana “no tener pepitas em la lengua”. Pepitas, diminutivo de papas, são partículas que surgem na língua de algumas galinhas, é uma espécie de tumor que lhes obstrui o cacarejo. Quando não há pepitas (papas), a língua fica livre.
A toque de caixa
A caixa é o corpo oco do tambor que foi levado para a a Europa pelos árabes. Como os exercícios militares eram acompanhados pelo som de tambores, dizia-se que os soldados marchavam a toque de caixa. Atualmente, refere-se a uma tarefa que se tem de fazer rapidamente, eventualmente a mando de alguém ou mesmo à força.
Maria vai com as outras
Dona Maria I, mãe de D. João VI (avó de D. Pedro I e bisavó de D. Pedro II), enlouqueceu de um dia para o outro . Declarada incapaz de governar, foi afastada do trono. Passou a viver recolhida e só era vista quando saía para caminhar a pé, escoltada por numerosas damas de companhia. Quando o povo via a rainha levada pelas damas nesse cortejo, costumava comentar: “Lá vai D. Maria com as outras”. Atualmente aplica-se a expressão a uma pessoa que não tem opinião e se deixa convencer com a maior facilidade.
Testa de ferro
O Duque Emanuele Filiberto di Savoia, conhecido como Testa di Ferro, foi rei de Chipre e Jerusalém. Mas tinha somente o título e nenhum poder verdadeiro. Daí a expressão ser atribuída a alguém que aparece como responsável por um por um negócio ou empresa sem que o seja efetivamente.
Quem não tem cão caça com gato
Se você não pode fazer algo de uma maneira, se vira e faz de outra. Na verdade, a expressão, com o passar dos anos, se adulterou. Inicialmente se dizia “quem não tem cão caça como gato”, ou seja, se esgueirando, astutamente, traiçoeiramente, como fazem os gatos.
Fonte: Cascudo, Luís da Câmara. Locuções Tradicionais no Brasil. São Paulo, Editora Global/2004.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

A VOZ DOS PROMOTORES:O GOVERNO ATUAL É O PIOR DOS ÚLTIMOS TEMPOS EM SEGURANÇA PÚBLICA...

Nós, Promotores de Justiça com atuação na área criminal, assistimos ontem constrangidos a notícia de demissão do Comandante Geral da Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Norte – PMRN, Coronel Ângelo. A demissão, para dizer o mínimo, foi deselegante.
Vimos, mais uma vez, a PMRN, na figura do seu Comandante Geral, ser eleita como bode expiatório do fracasso das políticas governamentais na área de Segurança Pública, justamente a PM que é a instituição que ainda consegue, com toda dificuldade, prestar algum serviço à segurança publica potiguar.
A atual política de segurança do Governo Robinson Faria tem procurado a todo custo isolar e apequenar a Polícia Militar, tudo em nome de uma hegemonia bacharelesca na política da segurança pública, onde alguns sem nenhum trabalho relevante no exercício profissional, ditam unilateralmente a gestão do sistema.
O Governo atual é sem dúvida o PIOR dos últimos tempos em matéria de Segurança Pública. Conseguiu enfraquecer ainda mais a PM e, para piorar, perdeu totalmente o controle do Sistema Penitenciário – SISPEN, despejando nas ruas bandidos de alta periculosidade, retroalimentando assim a criminalidade.
A PM, o MP ou mesmo o Judiciário são incapazes de dar conta da segurança pública se o SISPEN não conseguir sequer manter os atuais presos encarcerados.
Não há planejamento claro, não há projetos, não há metas e tarefas transparentes para serem cobradas e, sobretudo, não há disposição para enfrentar os vícios do sistema. Tem-se, por exemplo, uma Polícia Civil com centenas de novos profissionais, nomeados nos últimos 02 anos, porém com o mesmo grau de ineficiência, dada sobretudo a falta de impessoalidade na gestão de pessoal, de controle de resultados, de comando, sem treinamento adequado, sem doutrina inicial e muitas das vezes sem boas referências profissionais. Por tudo isso, a Polícia Civil tem se mostrado uma instituição deficiente e incapaz de combater a macrocriminalidade, o que tem sobrecarregado a Polícia Militar. O pouco que vemos de trabalho investigativo realizado pela Polícia Civil é fruto do esforço pessoal de algum delegado ou de uma equipe, e não de uma postura da instituição de busca por resultados.
Também, não é para menos. O próprio Delegado-Geral é réu em ação de improbidade emblemática, que expressa a velha prática do compadrio e da ausência de impessoalidade na gestão Robinson Farias.
Deixamos aqui, portanto, nossa solidariedade à PMRN, instituição que, no dia de ontem, foi mais uma vez ultrajada pela política clientelista do Governo Robinson Faria na segurança pública.
Fausto F. de França Júnior
Promotor de Justiça
Sílvio Ricardo G. De Andrade Brito
Promotor de Justiça
Emanuel Dhayan Bezerra de Almeida
Promotor de Justiça
Márcio Cardoso Santos
Promotor de Justiça

DRUMOND...SEMPRE DRUMOND...

50 FRASES DE DRUMMOND PARA CARREGAR NO BOLSO

A vida do poeta interplanetário Carlos Drummond de Andrade, nascido sob a proteção de um anjo torto na cidadezinha mineira de Itabira, de besta não teve nada. Além de ter colocado uma pedra no caminho (e no sapato) de muitos poetas municipais (e de bairro) Brasil afora, Drummond foi contista, cronista e um frasista de abalar a máquina do mundo. A Revista Bula selecionou 50 das mais belas, instigantes e provocadoras frases do mestre. Frases que podem ser levadas no bolso, na bolsa, na carteira, tatuadas ou escritas com esferográficas na mão, para serem lidas e relidas. E agora, José, qual frase você escolhe?
Tudo é possível, só eu impossível.
Há certo gosto em pensar sozinho. É ato individual, como nascer e morrer.
Precisamos educar o Brasil.
Meu verso é minha cachaça. Todo mundo tem sua cachaça.
Podemos beber honradamente nossa cerveja.
Há livros escritos para evitar espaços vazios na estante.
O difícil, o extraordinário, não é fazer mil gols como Pelé. É fazer um gol como Pelé.
A liberdade é defendida com discursos e atacada com metralhadoras.
A minha vontade é forte, porém minha disposição de obedecer-lhe é fraca.
Crimes suaves, que ajudam a viver…
O povo toma pileques de ilusão com futebol e carnaval. São estas as suas duas fontes de sonho.
Tristeza de ver a tarde cair como cai uma folha.
Se meu verso não deu certo, foi seu ouvido que entortou.
Há muitas razões para duvidar e uma só para crer.
Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo.
No adultério há pelo menos três pessoas que se enganam.
Como as plantas a amizade não deve ser muito nem pouco regada.
As dificuldades são o aço estrutural que entra na construção do caráter.
Os que amam sem amor não terão o reino dos céus.
Depressa, que o amor não pode esperar!
O cofre do banco contém apenas dinheiro; frustra-se quem pensar que lá encontrará riqueza.
Não é fácil ter paciência diante dos que têm excesso de paciência.
Meu verso é minha consolação.
Stop. A vida parou ou foi o automóvel?
A terra não sofreu para dar essas flores.
Ora afinal a vida é um bruto romance e nós vivemos folhetins sem o saber.
Deus me abandonou no meio de uma orgia, entre uma baiana e uma egípcia.
E o amor sempre nessa toada: briga perdoa briga perdoa.
Não se deve xingar a vida, a gente vive, depois esquece.
Os homens são como as moedas; devemos tomá-los pelo seu valor, seja qual for o seu cunho.
Necessitamos sempre de ambicionar alguma coisa que, alcançada, não nos torna sem ambição.
A educação para o sofrimento, evitaria senti-lo, em relação a casos que não o merecem.
Sexo, esse minúsculo ponto feminino, em torno do qual gira a máquina do mundo.
O amor no escuro, não, no claro, é sempre triste, meu filho.
O fato ainda não acabou de acontecer e já a mão nervosa do repórter o transforma em notícia.
Há vários motivos para não se amar uma pessoa e um só para amá-la.
Falam por mim os que estavam sujos de tristeza e feroz desgosto de tudo, que entraram no cinema com a aflição de ratos fugindo da vida, são duas horas de anestesia, ouçamos um pouco de música, visitemos no escuro as imagens — e te descobriram e salvaram-se.
A poesia é incomunicável.
Eterno é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade que se petrifica e nenhuma força jamais o resgata…
Os homens distinguem-se pelo que fazem, as mulheres pelo que levam os homens a fazer.
Os desiludidos seguem iludidos, sem coração, sem tripas, sem amor.
Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
A amizade é um meio de nos isolarmos da humanidade cultivando algumas pessoas.
Ninguém é igual a ninguém. Todo o ser humano é um estranho ímpar.
Só é lutador quem sabe lutar consigo mesmo.
Que o poeta nos encaminhe e nos proteja.
Em vão assassinaram a poesia nos livros.
A soma da vida é nula.
E eu não sabia que minha história era mais bonita que a de Robinson Crusoé.
Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

CARLOS DRUMOND...



Memória
Carlos Drummond de Andrade
  

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão.

Mas as coisas findas,
muito mais que lindas,
essas ficarão.