quarta-feira, 29 de março de 2017

NO ESTADO DE POESIA...

CRIANÇAS – Rodrigues de Abreu

Somos duas crianças! E bem poucas
no mundo há como nós: pois, minto e mentes
se te falo e me falas; e bem crentes
somos de nos magoar, abrindo as bocas…
Mas eu bem sinto, em teu olhar, as loucas
afeições, que me tens e também sentes,
em meu olhar, as proporções ingentes
do meu amor, que, em teu falar, há poucas!
Praza aos céus que isto sempre assim perdure:
que a voz engane no que o olhar revela;
que jures não amar, que eu também jure…
Mas que sempre, ao fitarmo-nos, ó bela,
penses: “Como ele mente” – e que eu murmure:
“quanta mentira têm os lábios dela!”

Um comentário: